Aviação de negócios será o único foco da Bombardier

De acordo com o presidente e CEO da Bombardier, é a hora de um "novo capítulo emocionante" para a canadense. A empresa, que já fechou diversos acordos envolvendo suas outras divisões, fechou um acordo para a venda de sua divisão de trens. Assim, a empresa terá como foco apenas o setor de aviação executiva
6 de março de 2020
Global 7000
De acordo com o presidente e CEO da Bombardier, é a hora de um "novo capítulo emocionante" para a canadense. A empresa, que já fechou diversos acordos envolvendo suas outras divisões, fechou um acordo para a venda de sua divisão de trens. Assim, a empresa terá como foco apenas o setor de aviação executiva

Após fechar um acordo para a venda da sua divisão de trens, a Bombardier terá o foco apenas na sua divisão de aviação de negócios. Os bons resultados nas entregas dos seus novos Global, incluindo o 6500, deve colocar a empresa em boas condições.

A Bombardier quase deu fim na sua divisão de aviação de negócios por conta do futuro incerto que a empresa estava passando, já que rumores indicavam a sua venda à  Textron. A fabricante tomou medidas para reduzir drasticamente suas dívidas após negociar a sua unidade de trens (Bombardier Transportation) para a Alstom em um acordo avaliado em US$ 8,2 bilhões. A Bombardier disse que tomou uma “decisão estratégica” para se concentrar apenas na aviação de negócios, acelerando assim seus esforços para pagar as suas dívidas.

Alain Bellemare, presidente e CEO da Bombardier Inc, considerou a venda como um ponto primordial para a recuperação da empresa. “Hoje estamos iniciando um novo capí­tulo emocionante para a Bombardier” comentou. “Em um futuro próximo, concentraremos todos o nosso capital, energia e recursos para a aceleração e crescimento da nossa divisão de aeronaves de negócios, hoje avaliada em 7 bilhões de dólares. Com um balanço mais forte após a venda da divisão de transportes, teremos mais fôlego para iniciarmos o nosso crescimento para alcançarmos uma posição confortável”.

Com a venda da sua divisão de trens, este processo marca um dos seus últimos negócios que a Bombardier havia deixado para vender, fora a sua unidade de aviação de negócios. Desde o ano passado, a empresa canadense havia fechado uma série de acordos envolvendo outras divisões, inclusive a sua participação no programa de aviões A220 para a Airbus por quase US$ 600 milhões, no final de 2019, chegou a um acordo para vender a sua unidade de treinamento à CAE por US$ 645 milhões e o seu programa Q400 à Viking Air por US$ 300 milhões. Por fim, com as vendas acumuladas, a Bombardier terá à  sua disposição cerca de US$ 7 bilhões em caixa, o que muda a posição da fabricante para lidar com quase US$ 9,3 bilhões em dí­vidas.

Atualmente a Bombardier possui uma carteira de pedidos de US$ 14,4 bilhões e já antecipou que irá entregar 160 aeronaves em 2020, o que incluindo o novo Global 7500. Os executivos do fabricante vêem com grande otimismo as entregas de jatos para os próximos anos.

Fonte: Aero Magazine (26/02/2020)


Sobre

A Associação Brasileira de Aviação Geral (ABAG) foi criada com o intuito de defender e promover os interesses de pessoas e organizações que operem aeronaves como forma de apoio a seus negócios de forma í­ntegra e profissional, angariando o reconhecimento da sociedade e do governo como seu legí­timo interlocutor.



© ABAG 2020 . www.abag.org.br . Todos os direitos reservados



Endereço

Rua Baronesa de Bela Vista, 411- Cond. CGH Aeroporto Office, salas 503, 504 e 505. Vila Aeroporto, São Paulo/ SP, 04.612-001- Brasil

+55 (11) 5032-2727

+55 (11) 93088-6208

Redes Sociais:

Linkedin

Twitter

Newsletter